Brasileiros bebem mais que restante do mundo!

Empórios | segunda-feira 24 novembro 2014 13:07

shutterstock_2613153

A Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou o que muitos brasileiros já sabiam: somos um povo que tem o hábito de beber (e muito).

Estudo divulgado pela entidade neste mês aponta que o consumo de bebidas alcoólicas no país é maior do que a média mundial. O brasileiro bebe 8,7 litros de álcool puro por pessoa a cada ano, contra a média global de 6,2 litros.

Desconsiderando o total da população abstinente (42,3%), a média de consumo de álcool é ainda maior: 15,1 litros por ano.

Embora países da Europa liderem o ranking de consumo per capita, a OMS chama a atenção justamente para o fato de o Brasil ser um dos países em que se mais registram casos de abuso de consumo.

O objetivo da entidade com o levantamento é alertar para os perigos que o consumo excessivo de bebidas pode causar.

Além de poder provocar aumento da agressividade e de acidentes, o abuso do álcool eleva o risco de desenvolver mais de 200 doenças.

Segundo a OMS, cerca 3,3 milhões de pessoas morreram em 2012 por causa do álcool, o que representa 6% de todas as causas de morte registradas no mundo.

Vinhos foram feitos para serem apreciados! Evite o consumo exagerado, afinal, qualidade é sempre melhor que quantidade :)

 


Produtores de vinho do Brasil comemoram recorde nas exportações

Empórios | segunda-feira 17 novembro 2014 12:46

Do Brasil, para o mundo!

Encontro de Vinhos (383)

Os produtores de vinho do Brasil estão comemorando um recorde histórico nas exportações. NoRio Grande do Sul, de onde sai quase toda a produção, essa celebração tem sido compartilhada com milhares de turistas.
Nossos vinhos e espumantes conquistaram até a França, considerado o mercado mais exigente do planeta. E não só ela: outros 35 países se renderam ao produto brasileiro. Tem rótulo até para japonês ler.

“Vinho brasileiro vem numa crescente de qualidade há muitos anos, e hoje ele se mostra um vinho muito leve, um vinho agradável, frutado. Sempre com essa característica que o consumidor vai buscar quando se fala em Brasil. Ele vai buscar uma bebida alegre”, afirma o enólogo André Peres Júnior.

O Brasil nunca vendeu tanto vinho lá fora: mais de R$ 16 milhões em apenas seis meses, 250% a mais do que no primeiro semestre do ano passado.

 

(fonte: Jornal Nacional)


O que acontece com o vinho se não for consumido logo?

Empórios | quarta-feira 12 novembro 2014 12:55

vinho-tinto-queijos

O consumo de vinho aumenta nas festas de final de ano. A bebida comemorativa pode não ser tão popular quanto a cerveja no Brasil, mas tem ganhado espaço. Com isso, surgem dúvidas sobre como preservar o sabor do vinho e se é possível guardá-lo depois da garrafa ser aberta.

Primeiro, é importante saber que depois que a garrafa de vinho é aberta, a bebida começa a se oxidar. Ou seja, os diversos compostos presentes no vinho reagem com o oxigênio que entra na garrafa depois de aberto, resultando em sabores e odores normalmente desagradáveis.

Com esse processo, a maioria dos vinhos não se conserva por mais de algumas horas depois de abertos. O jeito é dividi-lo com alguém que você goste, ao invés de tentar guardar.

Dá para tentar ‘esticar’ a duração de um vinho para entre 24 horas (a grande maioria dos vinhos) e alguns meses (para vinhos muito específicos, como um Madeira). Para isso são necessário alguns cuidados, como retirar o ar da garrafa – utilizando equipamento próprio, como bombas de vácuo – e guardar sob refrigeração.

Ainda, é possível prolongar a duração da bebida por meio de equipamentos que introduzem gases inertes (normalmente nitrogênio) na garrafa aberta, impedindo assim o contato do líquido com o oxigênio. No entanto, esses “brinquedinhos” são caros demais para um enófilo amador.

Portanto, abra a garrafa de Mitto Terroir que você mais gosta e harmonize com a melhor companhia!

Divida um brinde, divida bons momentos!

 

(Fonte: Exame)


Sucos de Uva Mitto e Mundo Verde

Empórios | quinta-feira 6 novembro 2014 12:57

Em 27 anos de existência, o MUNDO VERDE se consolidou como pioneiro e líder na proposta de desenvolver o conceito de vida saudável e sustentabilidade no varejo brasileiro, tornando-se a maior franquia do segmento na América Latina, segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF). A filosofia “verde” de viver ganhou tantos adeptos que a rede cresceu e hoje soma mais de 300 lojas. Atualmente, as lojas Mundo Verde recebem diariamente mais de 150 mil pessoas em busca de pelo menos um dos cerca de 10 mil itens oferecidos pelos mais de 1.200 fornecedores.

O Suco de Uva Mitto está entre os produtos que você encontra na Mundo Verde! Sem corantes, sem aditivos, sem açúcar, o suco de uva integral da Mitto é cientificamente comprovado como aliado da saúde. Você encontra nas versões 1 litros, para levar para casa ou 300 ml, conservado em geladeira para consumir na hora.

Peça pelo seu, nas Lojas Mundo Verde!

image003 image005 image006


O Vinho e a Moda!

Empórios | segunda-feira 3 novembro 2014 13:31

No meio de tantos pretos, cinzas e marinhos, o vinho se destaca porque é menos comum de se ver por aí, mas traz as mesmas mensagens de adequação e elegância quanto qualquer um desses mais batidos.

O legal do vinho é que se ele aparece numa peça super clássica, como uma calça alfaiataria, deixa ela mais moderninha e quando é usado numa peça mais casual, tipo um tricô, deixa ela mais sofisticada. É um poder de não deixar nada tradicional demais ou ousado demais, sabe!?! E rende mil coordenações bacanas, quer ver?

vinhoedition

Vinho e neutros:  Vinho fica legal com marinho, com cinza, com cáqui, com camelo e até com preto. E quer coordenação mais chique e atual que vinho com verde militar?

Vinho e coloridos: porque vinho é uma cor neutra com um pezinho lá nos coloridos, as coordenações mais fáceis são as usadas com cores mais parecidas, tipo vinho + tons de azul, vinho + roxo, vinho + tons alaranjados. Dá pra coordenar vinhos com tons de verde também, mas daí já fica bem mais chamativo.

E ainda usar vinho com tons de rosa é imbatível! Melhor ainda com tons rosados mais neutros como nude, rosê, rosa acinzentado… Ah! na hora de coordenar com metalizados os melhores são o ouro velho, prata velha, tons acobreados e bronze, que não criam tanto contraste e mantém a ideia de sofisticação do vinho. Agora não tem mais desculpa pra gente não experimentar: as cores e o vinho também ;)

(Fonte: Blog Oficina de Estilo)

 


Que taça escolher?

Empórios | quinta-feira 16 outubro 2014 21:28

diferentes-tipos-tacas1

Cada tipo de vinho pede uma taça diferente. Sabe porque isso?

O vinho pode ser considerado sinônimo de glamour e requinte. Alguns chegam a custar fortunas, e cada tipo pede uma taça diferente. Mas não é só pelo “status” que isso ocorre. Muitos não sabem, mas o papel chave da taça de vinho é realçar algumas características da bebida.

Assim como existem diversos modelos de roupas, cada um com detalhes que servem para realçar diferentes tipos de corpo, escolher a taça certa pode fazer toda a diferença ao servir as bebidas. Para fazer bonito na hora de receber seus convidados, primeiro é preciso saber mais sobre os tipos de taças.

Taça para água

É o modelo mais fácil de identificar, pois a água não possui um sabor que possa ser alterado com o tempo e é preciso apenas mantê-la gelada. O tamanho da taça para água deve ser sempre maior e pode ou não ter pé (base).

Taça para vinho branco

O vinho branco é uma bebida que pode ser consumida gelada, por isso o tipo de taça ideal é com modelo menor, para que o líquido não esquente rapidamente. A taça para vinho branco também pode ser usada para degustar um vinho rosé.

Taça para champanhe

Para beber um bom champanhe, é preciso servi-lo sempre em uma taça alta e fina. O formato da taça para champanhe é ideal para manter a efervescência da bebida por mais tempo e conservar o seu sabor.

Taça para licor

O licor é uma bebida bem doce que geralmente é servida logo após as refeições devido a sua ação digestiva. A taça para licor deve ter porte médio, assim a bebida é consumida em pequenos goles.

Taça para conhaque

Para servir o conhaque, é preciso evitar que as mãos esquentem a bebida e ela perca seu aroma. Por isso, a taça para conhaque ideal deve apresentar um formato tipo “baloon” e com o pé (base) curto.

Taça para Martini

O Martini é uma bebida que deve ser consumida em pequenas doses e sem pedras de gelo, apenas gelada. A taça para Martini deve ter um formato de copo triangular pequeno (estreito no fundo e aberto no bocal) e com o pé (base) alto. Para deixar o drinque mais charmoso, acrescente detalhes como uma azeitona ou cereja dentro da taça e evite exagerar na quantidade.

Taça para vinho tinto

A taça para vinho tinto deve apresentar um formato maior e com o copo mais bojudo que da taça de vinho branco, pois essa bebida necessita de mais oxigenação para realçar seu aroma. Geralmente, o vinho tinto não é consumido gelado.

Não é necessário que se tenha as inúmeras taças que existem no mercado, Porém para um bom apreciador trouxemos quatro tipos de taças mais utilizadas  que lhe permitirão apreciar uma variedade de vinhos. São estas:

content_conjunto-de-tacas-de-vinho


Como beber vinho no verão?

Empórios,Vinhos | terça-feira 14 outubro 2014 13:46

e6157f0c-0129-4e06-9e21-adcbea35b332

Por incrível que pareça, mesmo com as altas temperaturas do verão ainda é tempo de tomar bons vinhos. Nessa estação, recomenda-se o consumo de vinhos brancos e espumantes, mas é sempre bom tomar algumas precauções para que a bebida não se aqueça com o calor.

Um vinho aquecido tem um aroma muito acentuado e alguns elementos de sua degustação acabam ficando perdidos. Entretanto, cada rótulo reage diferentemente às temperaturas elevadas: o vinho branco, por exemplo, deve ser apreciado com uma temperatura mais baixa, para moderar sua acidez. Mas, cuidado: não sirva-o muito gelado, senão os aromas ficam inibidos.

Para resfriar o vinho, o ideal é colocar a garrafa em um recipiente (como um balde) com pedras de gelo, água gelada e sal grosso, para acelerar o resfriamento. Em hipótese alguma deve-se colocar pedras de gelo diretamente no vinho, senão o líquido pode diluir, afetando o sabor da bebida.

Colocar a garrafa em um congelador por um curto período de tempo também é inadequado, já que o resfriamento brusco afeta o aroma e o sabor, fazendo com que o vinho aumente o volume de líquido e venha a sofrer o risco de ter a garrafa rachada.

O vinho branco deve ser consumido em uma temperatura média de 4° a 6°C. Nessas temperaturas, a bebida combina com as estações mais quentes devido à ótima acidez e um menor teor alcoólico em relação aos outros vinhos.

Além do vinho branco, esta época do ano também é propícia para os espumantes e rosados, já que são mais leves, refrescantes e podem ser servidos em temperaturas mais baixas.

 

(Fonte: Carlos Cabral)


Como armazenar meu vinho?

Empórios | sexta-feira 10 outubro 2014 15:46

fullsize-vinhos-portugueses-2

Para que o vinho seja corretamente conservado, de modo que não perca suas propriedades, diversos itens são importantes, como não expor a garrafa à luz solar ou a mudanças bruscas de temperatura.

Especialistas apontam que a temperatura ideal para conservar as garrafas de vinho gira em torno de 13°C e o ambiente deve ter a temperatura constante, sem grandes oscilações. Além disso, a umidade do local deve ser observada e mantida perto de 65%, ajudando a manter a umidade da rolha, evitando seu ressecamento.

Outro ponto importante sobre a rolha é a necessidade de conservar as garrafas na horizontal, o que mantém a cortiça em contato com o líquido e também impede seu ressecamento, que pode causar entrada de ar em demasia na garrafa e estragar o vinho, que deve apenas “respirar” dentro da garrafa.

Segundo os especialistas, é recomendável armazenar apenas vinhos no local, uma vez que a bebida pode ficar impregnada com outros aromas. Além disso, pelo fluxo natural de calor, convém manter os vinhos brancos na parte de baixo da adega e os tintos em cima. Para garantir a qualidade do vinho, vale a pena atentar-se também à quantidade de anos que o mesmo pode ser envelhecido sem perder suas características.


A diferença entre o vinho frisante e o espumante

Empórios | quarta-feira 8 outubro 2014 13:12

Já se perguntou qual a diferença entre frisante e espumante? A Mitto Terroir possui em sua linha esses dois vinhos e gostaríamos de mostrar um pouco mais sobre  essas bebidas  para que você compreenda o que há de especial em cada uma.

Espumante em grande demanda, dez. 2010, foto Daniela Villar

A diferença entre o vinho frisante e o espumante é um questionamento comum para os iniciantes no mundo do vinho. E o primeiro passo para entendê-la é conhecer como se produz um vinho, para depois entender como funciona os diferentes métodos de vinificação. A fermentação alcoólica é um conjunto de reações provocadas por micro-organismos, as leveduras, que atacam a glicose e a frutose contidas no mosto transformando-os em álcool e gás carbônico.

Para se produzir um espumante ou um frisante, precisamos de gás carbônico (borbulhas) e esse gás tem de ser obtido de maneira natural. Agora vamos às características de cada um desses vinhos:

Espumantes

Os espumantes são produzidos através de duas fermentações, a primeira que chamamos de vinho base, aonde a fermentação vai até o final. Ou seja, o vinho fica seco e sem gás carbônico e a segunda é quando se obtém esse gás (as borbulhas).

Para isso, existem dois processos, Champenoise (também conhecido como Tradicional ou Clássico) e Charmat:
– O método champenoise é aquele onde a 2ª fermentação do vinho base ocorre dentro da própria garrafa.
– O método charmat já passa por uma produção um pouco diferente, fazendo com que o vinho base realize sua segunda fermentação em tanques de aço inox .
– No final, os dois métodos recebem uma mistura que se chama Liqueur d`expédition (Licor de expedição), que é responsável em fazer a classificação deste espumante, sendo brut ou demi sec.

Frisantes

– Trata-se de uma fermentação sem vinho base, sem licor de tiragem e sem licor de expedição.
– Ou seja, como não tem vinho base, tanto a fermentação alcoólica quanto a toma de espuma ocorrem no mesmo processo.
– Nos vinhos frisantes o método de obtenção das bolhas pode ser tanto natural como artificial.

Por essas diferenças no método de produção, o vinho frisante sempre terá menor nível de gás carbônico em relação ao espumante. Ou seja, o vinho frisante é menos gaseificado e tem menos espuma do que um espumante.

E nada melhor do que ver essa diferença na taça!

A Mitto Terroir convida  você para conhecer sua linha de espumantes e frisantes, perfeitos para comemorações, harmonizam com a vida!

Untitled-1

(Fonte: Sommelier Wine)


Como harmonizar queijos e vinhos?

Empórios | quinta-feira 2 outubro 2014 15:27

queijos_e_vinhosQueijos e vinhos parecem ter uma vocação natural para se harmonizar. Importante notar que ambos aparecem no plural. Assim como escolhemos dois ou três tipos de queijos, deveríamos fazer o mesmo com os vinhos, pois, dependendo do tipo de leite utilizado (de vaca, de cabra ou de ovelha) e do tempo de cura, a harmonia se dá de diferentes maneiras.

O queijo de cabra fresco é ideal para iniciar uma reunião. Pede vinhos brancos leves, jovens, secos, com boa acidez e aromáticos. Uma boa opção é o nosso Mitto Prosseco ou espumante Brut.

capra_cat_big

O camembert, produzido a partir do leite de vaca, tem massa de cor amarela-clara e uma crosta de bolor branco na superfície. Ao paladar, mostra um delicado toque salgado e frutado.  Nos tintos, pede um de corpo mais leve e muito aromático, como nosso vinho Jovem Cabernet/Merlot.

camembert

Originário da Itália, o gorgonzola dolce, que não tem nada de doce, é cremoso e macio. Criado há mais de mil anos, tem aroma muito intenso e sabor forte. Há quem não seja fã de seus veios azuis onde proliferam bactérias. Porém, provar esse queijo com o vinho certo é uma viagem ao paraíso. Vinhos doces são as opções ideais para harmonização, como nosso Jovem Moscato.

Blue-Cheese


Próxima Página »